Minas registra saldo positivo no PIB do Agronegócio de 2020

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio de Minas Gerais expandiu, em termos agregados, de R$ 115,6 bilhões em 2019 para R$ 150,8 bilhões em 2020. No período, a participação no total do PIB estadual evoluiu de 18% para 22,6%. O resultado, divulgado pela Fundação João Pinheiro (FJP) na quinta-feira (22/4), é parte do Informativo FJP - Análise Insumo-Produto e Contas Regionais: PIB do Agronegócio de Minas Gerais. 

Do acréscimo nominal de R$ 35,2 bilhões em 2020, R$ 18,4 foram inseridos ao Valor Adicionado Bruto (VAB) a preços básicos do setor primário, que passou de R$ 28,9 bilhões em 2019 para R$ 47,3 bilhões em 2020. Os R$ 16,8 restantes foram adicionados nas indústrias e serviços conectados ao agronegócio, incluindo impostos indiretos aplicados aos produtos dessas atividades. Nesse componente do entorno do agronegócio mineiro, o valor produzido passou de R$ 86,7 bilhões em 2019 para R$ 103,4 bilhões em 2020.

“As principais explicações para esse resultado estão relacionadas ao fato de 2020 ter sido um ano de produtividade alta de café, que é um produto importante na nossa pauta. E ao fato de que, a partir do 2º trimestre, as economias da China e de alguns países do Leste asiático começaram a apresentar um controle bastante avançado da pandemia do coronavírus, com recuperação econômica relativamente cedo nesses países”, explica o coordenador de Contas Regionais da Diretoria de Estatística e Informações (Direi/FJP), Raimundo Leal. “Com isso, a demanda global dos produtos do setor primário evoluiu de maneira favorável a partir do segundo trimestre do ano passado e no segundo semestre, em particular, e o desempenho dos mercados se manifestou com muita clareza na evolução dos preços internacionais”, completa.

O movimento de elevação dos preços dos produtos agrícolas em 2020 esteve relacionado à oferta mundial menor de algumas culturas e à maior demanda de compradores como a China, o que resultou no aumento das cotações das principais commodities em moeda estrangeira e na redução da oferta interna em razão do aumento no volume exportado. 

Repercussão

A secretária de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Valentini, destaca que o bom preço dos produtos é um estímulo para o produtor mineiro investir e produzir . E também ressalta como incentivador o ambiente de confiança que o Governo de Minas, que defende quem produz, vem desempenhando. "Tivemos um excelente trabalho feito pela Secretaria de Estado de Fazenda (SEF), que se reuniu com o os produtores, possibilitou convênios, e isso leva confiança para o setor. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) tem feito reuniões mensais com a Faemg, e isso dá muito ânimo para todo mundo. Ações e atitudes positivas, que trazem esperança de que o ambiente vai melhorar, isso tudo ajuda no crescimento da produção." 

“Quando avaliadas em moeda estrangeira, as principais commodities agrícolas tiveram uma evolução muito favorável em 2020. E se não bastasse isso, o ano passado também foi um período em que a moeda brasileira depreciou em relação ao dólar e às demais moedas estrangeiras. Portanto, o faturamento em moeda local da produção do agronegócio teve um desempenho espetacular no que diz respeito à evolução dos preços e a produção respondeu positivamente também aos estímulos de uma situação favorável no mercado”, esclarece Leal.

O subsecretário de Política e Economia Agropecuária de Minas Gerais, João Ricardo Albanez, comemora os resultados. “Mesmo com o momento completamente novo vivido em 2020, o agronegócio apresentou números espetaculares. Temos um cenário muito favorável para 2021 e estou otimista de que o crescimento será ainda maior”, acredita. Ele também destaca a relevância do estudo. “Dados como esses apresentados pela Fundação João Pinheiro sinalizam o caminho a ser tomado para a condução das políticas públicas e o direcionamento das ações de todos os envolvidos na cadeia, o que é extremamente relevante para o futuro do setor”, conclui. Desempenho Na agricultura mineira, café (em grão) arábica, soja (em grão) e cana-de-açúcar responderam, em 2019, por 62,7% do Valor Bruto da Produção (VBP) setorial. Em 2020, o volume produzido de café arábica teve expansão de 38,3%, a soja teve acréscimo de 19,2% na quantidade colhida e a cana-de-açúcar teve um ganho de 7,4% na quantidade produzida. Em comparação a 2019, a pecuária apresentou redução de 5,7% na bovinocultura de corte em 2020, enquanto o abate de suínos registrou aumento de 4,8% e o de frangos, de 4,6%. Nessa mesma base de comparação, a bovinocultura leiteira apresentou evolução, com quantidade de leite adquirido 3,6% maior em 2020, resultado também decisivo para a expansão do volume de VAB agropecuário de Minas Gerais.

fonte: Agencia Minas

Leia Também

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Leia Mais
11 Jan
SP: o que muda no agro com redução de ICMS

SP: o que muda no agro com redução de ICMS

SP: o que muda no agro com redução de ICMS

Leia Mais
03 Jan
 PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

Leia Mais
23 Dez
Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites