Na COP26, secretário do Mapa diz que próximo Plano Safra será "absolutamente verde"

O secretário de Inovação, Desenvolvimento Sustentável e Irrigação do Ministério da Agricultura (Mapa), Fernando Camargo, disse, na segunda-feira (8/11) ter certeza que "o Plano Safra do ano que vem será absolutamente verde". Ele fez a afirmação em conversa com jornalistas, durante a COP26, sem mencionar que, atualmente, apenas 2% do volume de crédito destinado à agropecuária é voltado diretamente para recursos do Programa de Agricultura de Baixo Carbono (ABC). 

"Vai ter muito recurso para boas práticas agropecuárias e vamos nos organizar para fazer com que esse recurso não falte lá na ponta”, acrescentou Camargo. O "Plano Safra verde" foi assunto da programação do pavilhão brasileiro na Conferência do Clima da ONU, que, na segunda-feira, foi inteiramente voltada para a discussão sobre a sustentabilidade na agropecuária.

ILPF (Foto: Kelem Silene Cabral Guimarães/Embrapa)

ILPF está entre as atividades do Plano de Agricultura de Baixo Carbono (ABC), cujo programa para obtenção de recursos representa apenas 2% do Plano Safra  (Foto: Kelem Silene Cabral Guimarães/Embrapa)

 

Camargo ponderou que o desafio é fazer com que todos os produtores rurais brasileiros, inclusive os pequenos, tenham acesso a tecnologias. “Para isso, precisamos do apoio da iniciativa privada, do terceiro setor, de várias entidades que levam a tecnologia ao campo”, defendeu ao dizer que o recursos internacionais também podem ser voltados para a pesquisa.

Ela e outros representantes da delegação brasileira na COP26, defenderam a capacidade de reduzir as emissões de metano em território nacional. "A pecuária brasileira tem tecnologias descarbonizantes e o futuro para redução de metano é a tecnologia", resumiu Mariane, ao reforçar que a agropecuária é o setor mais vulnerável às mudanças do clima.

Segundo ele, uma dieta nutritiva e saudável, baseada nos padrões de consumo e preços atuais, é inacessível para cerca de três bilhões de pessoas no mundo. “Hoje, o custo global para que os sistemas alimentares possam garantir nutrição saudável aliada à preservação ambiental é estimado em US$ 12 trilhões por ano. Se nós continuarmos com os modelos atuais, os custos para a saúde humana, meio ambiente e a economia serão imensuráveis.” 

Como solução, Moretti propôs investir em sistemas integrados de produção de alimentos, como a própria ILPF. Além disso, ele também se mostrou favorável ao investimento em sistemas mais eficientes para monitorar e antecipar questões relacionadas ao acesso à alimentação em áreas vulneráveis. 

 

"Isso exigirá um investimento de longo prazo, a partir da capacitação de pequenas empresas, investindo em infraestrutura essencial (principalmente estradas, energia, abastecimento de água) e melhorando a capacidade de armazenamento de alimentos para reduzir a deterioração e os riscos à segurança alimentar", disse.

GLOBO RURAL - MARIANA GRILLI

Leia Também

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Leia Mais
11 Jan
SP: o que muda no agro com redução de ICMS

SP: o que muda no agro com redução de ICMS

SP: o que muda no agro com redução de ICMS

Leia Mais
03 Jan
 PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

Leia Mais
23 Dez
Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites