O agro não é o vilão ambiental", diz produtor rural

O artigo do produtor rural no Pantanal e presidente do MNP – Movimento Nacional dos Produtores, Rafael Gratão, "O agro não é o vilão ambiental", diz que o agronegócio sul-mato-grossense é amparado por muita ciência. Tanto a agricultura como a pecuária têm por característica o avanço, com base no que entidades de pesquisa apresentam e ao que a legislação dita. As atuais técnicas empregadas por produtores rurais, são atuais, benéficas ao meio ambiente e ancorados no que apresentam as universidades e entidades de pesquisa, como a Embrapa Gado de Corte, Fundação MS e Fundação Chapadão. Comparar as consequências das atividades rurais, com as cidades, além de desafiante, chega ser desonesto se citarmos emissões de gases e outros costumes urbanos.

Considerando o estudo divulgado neste mês de julho pela revista científica da Suiça: Frontiers in Sustainable Cities, podemos constatar que 25 municípios do mundo respondem por 52% dos gases de efeito estufa, ligados ao aquecimento global. Essa é uma das informações que nos dão base para afirmar que, diferente do que costumam apontar, o agro não é o vilão, uma vez que além de produzir alimento, ainda preserva a vegetação nativa.

Ainda conforme o artigo, para termos uma ideia, da área total de Mato Grosso do Sul mais de 1/3 é de florestas nativas, e se considerarmos as pastagens nativas presentes nos cenários como o Pantanal, os números de preservação são ainda maiores. A Embrapa Territorial, por meio do pesquisador Evaristo de Miranda, todos os anos, todos os meses, faz divulgações apresentando que mais de 60% do território brasileiro é de vegetação nativa. Recentemente nos trouxe a informação de que um quarto do território nacional (26,7%) está dedicado a preservar a vegetação nativa, no interior dos imóveis rurais, isso esclarece que quem mais preserva as florestas e a biodiversidade é o produtor rural.

 

Sobre o estudo publicado na revista Suiça, que se debruçou sobre 167 municípios de 53 países, o diagnóstico vinculou a emissão de gases do efeito estufa às cidades superpopulosas, sendo a maioria da China (cidades estas, que necessitam da produção agropecuária brasileira).

"É no mínimo interessante imaginar um estudo desta proporção aplicado às capitais brasileiras. E se forem além das emissões de gases e se dedicarem a comparar as práticas sustentáveis do homem do campo com o urbano, avaliarem a qualidade dos rios nos perímetros das cidades e até ações básicas, como o descarte do lixo, aposto facilmente em um desempenho favorável ao rural, onde a prática a favor do meio ambiente é rotina, por aqueles que reconhecem o valor da biodiversidade e da terra", finalizou.

Fonte: AGROLINK

Leia Também

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Leia Mais
11 Jan
SP: o que muda no agro com redução de ICMS

SP: o que muda no agro com redução de ICMS

SP: o que muda no agro com redução de ICMS

Leia Mais
03 Jan
 PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

Leia Mais
23 Dez
Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites