Stock Car também é corrida para o agro

Com cerca de 1 milhão de metros quadrados — ou aproximadamente 100 hectares —, o Autódromo de Interlagos é uma meca para os fãs brasileiros de automobilismo. Além de abrigar anualmente uma das principais provas da Fórmula 1, o espaço também recebe outras categorias como Super Bike, Fórmula Vee e hoje (12) foi palco da última etapa da 43ª edição da Stock Car Pro Series. Com uma disputa acalorada entre os três finalistas, Gabriel Casagrande venceu a final e saiu destacado pelos holofotes, mas para aqueles que têm olhares atentos, outro aspecto do evento também chamou a atenção: o agronegócio.

Stock Car e agro podem parecer temas de dois universos completamente distintos, porém se encontram em algumas ocasiões nas pistas de corrida. Nos dias atuais, o mais evidente é  o patrocínio estampado nos macacões de nomes como Casagrande, Ricardo Zonta e Cesar Ramos. O primeiro deles, um dos três finalistas da competição, tem como patrocinadora a Raumak, empresa de Jaraguá do Sul (SC) que fabrica e comercializa máquinas empacotadoras de grãos. Outras marcas como Oak Berry, Maxfol e Linea também têm espaços nos macacões dos pilotos da temporada encerrada da Stock Car.

O encontro entre os dois mundos ocorre também no funcionamento das poderosas máquinas. A Lubrax, marca carioca de lubrificantes, possui uma equipe própria na competição, mas também é a fornecedora oficial de combustível e lubrificantes de motor e de câmbio de todas as equipes na competição. Curiosamente, a empresa produz um dos óleos mais utilizados para o funcionamento de máquinas agrícolas, tão potentes e tecnológicas quanto um carro de corrida.

Assim como o agro, a temporada da competição também trouxe discussões sobre o impacto de sua atividade no meio ambiente. O veterano da Stock Car e pentacampeão Cacá Bueno fechou uma parceria com a climatech Moss para zerar sua emissão de carbono durante as dez etapas da categoria e também compensar tudo que emitiu desde seu nascimento. Se isso não bastasse como coincidência, a Moss é uma das empresas que oferecem créditos de carbono para incentivar produtores do agronegócio a manterem seu manejo sustentável e evitarem o desmatamento.

De patrocínios a parcerias e itens vitais para a realização da competição, o agro brilha nas pistas de Stock Car e ajuda a levar os 30 atletas em direção à linha de chegada em uma das modalidades de corrida mais populares no Brasil — na TV aberta, apenas em São Paulo, ela é assistida por cerca de 615 mil pessoas. 

“A agricultura brasileira e a Stock Car têm muitas semelhanças e realizam um casamento perfeito pelas características de ambas. A realidade do piloto e do produtor rural é mais semelhante do que parece. Precisam tomar decisões corretas de forma ágil, estão em constante risco, seja pelas curvas ou pelo clima e doenças e, no fim, buscam a linha de chegada”, afirma Mariangela Albuquerque, diretora de Marketing da ATTO Sementes, empresa mato-grossense que oficializou hoje (12) uma parceria para se tornar a nova patrocinadora da modalidade, garantindo a presença do agro brasileiro na temporada do próximo ano.

“Uma equipe da Stock Car necessita trabalhar em constante organização, planejamento e eficiência para que o seu piloto seja o melhor. No campo, o produtor também precisa ter uma excelente equipe, fazer as melhores escolhas nos insumos e executar cada operação na hora exata para alcançar o sucesso.”

Forbes AGRO - Erich Mafra

Leia Também

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Conab projeta safra em 284 milhões de toneladas

Leia Mais
11 Jan
SP: o que muda no agro com redução de ICMS

SP: o que muda no agro com redução de ICMS

SP: o que muda no agro com redução de ICMS

Leia Mais
03 Jan
 PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

PRODUÇÃO MG: estudo inédito mapeia 343 desafios do agro

Leia Mais
23 Dez
Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites